Porque trabalhar mais horas não significa ser mais produtivo?

homem loiro com smart phone

A pandemia e o teletrabalho aumentaram a jornada de trabalho de muitos portugueses. A crônica falta de equilíbrio entre trabalho e vida pessoal, somada à dificuldade de se desconectar do trabalho em casa com o laptop, faz com que 54% dos portugueses trabalhem mais horas. No entanto, trabalhar mais não significa ser mais produtivo.

O coronavírus aumentou a jornada de trabalho de 54% dos Portugueses. 42% mantiveram o mesmo cronograma e 4% o reduziram. 58% dos trabalhadores que já viram as suas horas alargadas atribuem a culpa ao teletrabalho derivado da reclusão, o que implica que as empresas não estão a aplicar mecanismos de desconexão laboral.

Ou seja, o teletrabalho não foi implantado corretamente, pois não deveria demandar mais horas para se obter o mesmo volume de faturamento. Na verdade, há muito se sabe que os teletrabalhadores são mais produtivos do que seus colegas de escritório - na China, nos Estados Unidos e em Portugal, entre outros países.

Segundo dados do Instituto Nacional de Estatística anteriores à pandemia, o teletrabalho aumenta a produtividade entre 5 e 25%, mas também menciona que isso implica mais 11% de horas trabalhadas. Então, sim, a pandemia prolongou muitas horas de trabalho, mas não por causa da pandemia em si, mas por causa da continuação com ferramentas de teletrabalho ineficazes, bem como ambientes domésticos não preparados para a atividade de trabalho.

Não ter outro lugar para ir também foi muito influente. Trancados em casa, muitos trabalhadores não precisaram ser pressionados por seus gerentes para cumprir suas horas de trabalho. Eles estavam fazendo isso porque as alternativas haviam sido significativamente reduzidas.

Muitos trabalhadores não querem voltar para o escritório

De acordo com um relatório da Robert Walters intitulado ‘The Future of Work after COVID-19’, 47% dos trabalhadores portugueses são mais produtivos no teletrabalho e 76% estão satisfeitos com a transição para empregos remotos decorrente da pandemia. Na verdade, apenas 7% desejam voltar ao escritório em tempo integral e 17% afirmam que seu desempenho caiu. A diferença, 36%, não percebeu mudanças na produtividade.

Não é difícil entender por que muitos trabalhadores preferem o teletrabalho. O tempo de deslocamento para o escritório agora é lucrativo. No entanto, esses dados têm um viés importante, como pode ser visto ao comparar esta seção com a anterior, ou seja, nem todos os setores foram afetados da mesma forma. É aí que reside parte do problema de análise. Por que há, ao mesmo tempo, aumento de produtividade para uns e diminuição para outros?

Enquanto em algumas empresas os trabalhadores ficam sobrecarregados de trabalho e não conseguem desligar seus telefones celulares no final do dia de trabalho, outras viram aumentos notáveis ​​na produtividade e redução do horário de trabalho. As pesquisas mencionadas acima têm um corte setorial, e há algumas que foram mais bem adaptadas.

Na verdade, parece que a forma como as empresas implementam o teletrabalho é mais importante do que o teletrabalho em si, e as horas extras estão intimamente relacionadas com a redução da produtividade. Este fenômeno também se aplica à presença: mais tempo no escritório significa menos produtividade.

Por quantas horas seguidas somos produtivos?

Agora é possível analisar porque para alguns trabalhadores (4%) o teletrabalho significou redução da jornada de trabalho, enquanto para outros (54%) a jornada de trabalho aumentou. E por que apenas 7% dos trabalhadores querem voltar ao escritório, apesar de trabalharem mais horas. Em muitos casos, essas horas geraram uma renda adicional, especialmente para freelancers.

François-Pierre Puech, country manager da Robert Walters Portugal comenta:
‘’As empresas que conseguiram gerir bem o teletrabalho viram aumentar a produtividade dos empregados e externos, e deram-se ao "luxo" de reduzir parte da jornada de trabalho. Enquanto aqueles que não conseguiram gerenciar esta modalidade de forma consistente viram o efeito oposto: mais horas, sobrecarga de trabalho, menor produtividade e trabalhadores insatisfeitos.’’

O COVID-19 acelerou a digitalização e o teletrabalho em Portugal. No entanto, é imprescindível fazer uma revisão sobre a forma como o teletrabalho está sendo implementado, uma vez que tem fomentado um presenteísmo digital que, longe de ajudar, prejudica todos os envolvidos. Leva tempo do trabalhador e produtividade da empresa.

»

Webinars
Robert Walters 

»
»
»
»